chevron_left Voltar para Releases e notícias
57% dos brasileiros que pretendem se mudar querem comprar um imóvel, mas mais da metade não possui planejamento financeiro para isso, aponta QuintoAndar

Pesquisa Datafolha aponta que, apesar do desejo, apenas 45% dos entrevistados se preparam para realizar esse sonho

Confira aqui o levantamento completo.

O Censo QuintoAndar de Moradia, pesquisa inédita realizada em parceria com o Instituto Datafolha, mostra que 57% dos brasileiros que pretendem mudar de casa nos próximos dois anos querem comprar um imóvel, mas apenas 45% dos entrevistados afirmam possuir um planejamento financeiro para realizar essa conquista. Sair do aluguel e realizar um sonho são os principais motivos citados por quem busca adquirir um imóvel.

Segundo o estudo, um em cada três brasileiros considera alta a chance de mudar de residência nos próximos dois anos.

O levantamento aponta ainda que homens são os mais preparados financeiramente para a mudança (52%), à frente das mulheres (40%). Além disso, revela que 51% dos moradores das regiões metropolitanas possuem um planejamento financeiro, contra 40% dos que moram no interior.
 

Para Jonas Marchetti, diretor de Crédito do QuintoAndar, é preciso reavaliar as finanças e preparar o bolso antes de adquirir um imóvel. “As despesas costumam aumentar quando você deixa de ser inquilino e vira proprietário, com a manutenção do imóvel. Por isso, é preciso fazer uma reserva para gastos inesperados e não deixar tudo na transação. Na casa nova, talvez sejam necessárias algumas melhorias. O ideal é até fazer um ‘test-drive’ alguns meses antes de comprar para ver a capacidade de arcar com todas as despesas (valor da parcela de um eventual financiamento, condomínio, IPTU).”
 

De acordo com a pesquisa, para aqueles que pretendem comprar um imóvel, fazer um financiamento é a principal saída escolhida (52%), à frente de pagar à vista (25%) e de pedir ajuda financeira a familiares e fazer um consórcio (ambos com 9%).

Segundo Jonas Marchetti, é muito importante estudar as formas de pagamento/financiamento. “A dica é sempre levar em conta o custo efetivo total. Ou seja, analisar a forma de correção das parcelas, o custo do seguro. É preciso fazer contas. Se a pessoa não estiver segura com todos os cálculos para fazer um financiamento, o ideal é procurar ajuda, conversar com amigos, pesquisar mais.”
 

O financiamento imobiliário, segundo a pesquisa, compromete, em média, 27% da renda familiar no país e R$ 715 é o valor médio gasto mensalmente com a parcela. A região com o custo mais caro é a Sudeste (R$ 867), seguida por Norte (R$ 802), Sul (R$ 770), Nordeste (R$ 462) e Centro-Oeste (R$ 458).

Ao analisar as regiões metropolitanas, o financiamento mais caro é o de São Paulo (R$ 1.206), à frente do Rio de Janeiro (R$ 1.111) e de Belo Horizonte (R$ 827). O levantamento mostra ainda que 39% daqueles que pretendem comprar à vista utilizarão o dinheiro poupado.


Em contraponto, 28% dos entrevistados que pretendem se mudar devem alugar uma casa. Isso se deve à falta de recursos financeiros, motivo apontado por 70%. Para esse modelo de contrato, o depósito caução é a garantia locatícia mais utilizada em todas as regiões (57%), à frente do fiador (15%) e de análise de crédito e de seguro (ambos com 7%). O peso do aluguel na renda mensal familiar é de, em média, 31% e o valor médio pago no país é R$ 686.

A região com o aluguel mais caro é a Sudeste (R$ 824), à frente da Sul (R$ 791), do Centro-Oeste (R$ 640), do Nordeste (R$ 400) e da Norte (R$ 579). Ao comparar as regiões metropolitanas, São Paulo (R$ 1.078) lidera o ranking, seguida por Rio de Janeiro (R$ 876) e Belo Horizonte (R$ 834).

Para Marchetti, é essencial que a pessoa reflita sobre o que compensa mais. “Isso depende muito da fase da vida em que cada um está. Se a pessoa vai casar, é preciso pensar em um imóvel que caiba todo mundo, especialmente se pretende ter filhos ou um pet. Como os custos de transação são caros, é essencial planejar o período que se espera ficar no imóvel. Se for pouco tempo, talvez seja melhor alugar que comprar”, afirma.

Por fim, o levantamento aponta que o método mais utilizado na hora de buscar um novo lar, citado por 48% dos entrevistados, são as clássicas plaquinhas de rua. Imobiliárias tradicionais/busca por sites e apps possuem o mesmo percentual de citação (41%). Nas classes AB, 55% utilizam sites ou apps para encontrarem uma residência, já as C e D possuem um percentual menor de entrevistados que usam os meios digitais para a procura – 41% e 28%, respectivamente.
 

“Os dados do Censo QuintoAndar de Moradia são fundamentais para entender a preferência do brasileiro e as tendências de consumo em relação ao lar. É um fator essencial para que sigamos aprimorando nosso negócio e nossas soluções, contribuindo com todo o ecossistema imobiliário e entregando mais valor para todos os integrantes dessa cadeia”, afirma Thiago Reis, gerente de Dados do QuintoAndar.
 

Página especial

Uma plataforma, desenvolvida pelo QuintoAndar em parceria com o Estúdio Nono, mostra a pesquisa Datafolha completa numa linguagem simples e dinâmica, com o auxílio de diversos infográficos. O Censo QuintoAndar de Moradia, a mais completa pesquisa sobre o morar no Brasil, tem informações sobre o mercado residencial no país, a caracterização do domicílio e o planejamento financeiro dos brasileiros em relação à moradia, além de hábitos, anseios e desejos. Confira a página exclusiva.
 

Metodologia da pesquisa 
Ao todo, foram realizadas 3.186 entrevistas com a população brasileira, com idade a partir de 21 anos, em todas as cinco regiões do país (Sudeste, Sul, Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Há, ainda, uma amostra representativa das regiões metropolitanas de Rio, São Paulo e Belo Horizonte e dos macropolos da Baixada Santista e de Ribeirão Preto. A pesquisa foi feita por meio de entrevistas pessoais em pontos de fluxo populacional entre os dias 11 e 21 de outubro de 2021 e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos para o total da amostra.

Sobre o QuintoAndar

O Grupo QuintoAndar é a maior plataforma de moradia da América Latina e oferece uma experiência direta, simples e transparente para quem busca um lugar para morar e para quem tem uma casa para alugar ou vender. A plataforma permite a busca de imóveis por meio de fotos de alta qualidade e o agendamento de visitas e fechamento do aluguel ou da compra online, sem burocracia. Os inquilinos alugam com facilidade, e os compradores têm maior transparência ao longo de toda a transação. Os proprietários estão cobertos pela Proteção QuintoAndar, que assegura o recebimento em dia do valor do aluguel, independentemente do pagamento pelo inquilino, e cobre indenizações de até R$ 50 mil por danos causados ao imóvel ao fim do contrato. Para imobiliárias, a empresa oferece um portfólio de serviços com soluções de crédito e financiamento, garantia locatícia e geração de demanda. Atualmente, a companhia tem mais de 185 mil contratos e R$ 90 bilhões em ativos sob administração, com atuação em mais de 75 cidades no Brasil, além da Argentina, Equador, Panamá, Peru e México, por meio das operações do grupo Navent, adquirido em dezembro de 2021.

Para saber mais sobre o QuintoAndar, acesse quintoandar.com.br/imprensa.

chevron_left Voltar para Releases e notícias